Post salvo em ‘Processo Quebec’

Nossa Experiência com o IELTS

taking a test

Olá, companheiros, como vão?

Hoje aqui contaremos sobre nossa experiência com o IELTS no último dia 30 em São Paulo.

Diferente de praticamente todas as pessoas que fizeram esse teste, nós não estudamos uma linha. Sequer fizemos um simulado. Vimos sobre a estrutura da prova na semana anterior. E espero que isso não comprometa nossa nota. Rs

Somos muito praticantes do inglês – além dos tradicionais filme/música/séries, também lemos livros, vemos programas de TV, escrevemos e lemos emails e escutamos podcasts em inglês. É bem frequente a gente misturar inglês e português no nosso coitado, muitas vezes por não lembrar de uma palavra em português. Por isso acho que fomos levemente relapsos.

Mas como esse não é o objetivo desta publicação, vamos partilhar nossa experiência na realização das quatro provas.

Se prepare para um texto grande.

Speaking

Essa prova pode ser realizada em um dia diferente das outras três, mas por sorte fizemos todas no mesmo dia.

Chegamos 9h40 ao local da prova, com muita antecedência. Foi bom para que a gente fizesse tudo com muita calma, já que antes das provas eles tiram fotos e recolhem assinaturas e impressões digitais.

O Saints fez às 10h20 e A Saints fez às 10h40. Nossos temas foram bem diferentes: para ele comida, para ela compras. Foi ótimo, porque são temas que ambos dominam.

A primeira parte é composta de perguntas sobre o tema, no estilo bate papo. A segunda parte tem como objetivo um monólogo de cerca de 2 minutos sobre um tema proposto na hora, como você defende este tema. Tudo segue o tema da primeira fase.

Fizemos com tranquilidade, e cremos que fomos bem. A entrevistadora nos interrompeu em muitos momentos, creio que falamos demais. Rs

Essa parte não dura mais do que 15 minutos, bem tranquilo mesmo. Dá aquele nervosismo, claro, mas o importante é se sentir seguro quando está falando, sentimos que isso foi importante, falarmos tudo com convicção.


Fomos almoçar, já que nossa prova seria às 13h.

Na volta separamos nossos materiais e esperamos para sermos chamados. Quem estiver com tudo que não for somente lápis/lapiseira, borracha, apontador e garrafa de água transparente sem rótulo tem um guarda – volumes para deixar antes de entrar na sala. Qualquer eletrônico é completamente proibido, incluindo celulares e relógios.

Como fomos de carro, deixamos tudo dentro do carro que estava no estacionamento dentro do Transamerica em frente a FAAP. Recomendamos!


Listening

Essa parte dura uma hora, e é composta por 40 perguntas. Nossa surpresa veio aqui: não são todas alternativas.

O áudio não repete, e você precisa prestar atenção em todas as perguntas, para não comer bola. No final sobram 10 minutos para transcrever as respostas, e vale a dica: cuidado com a escrita! Você pode ter problemas se não escrever uma letra legível.

Tem alternativas, tem escritas e tem para colocar em ordem. Não achamos muito difícil.

Reading

Esta prova também não é composta só por alternativas. E ela exige um pouco mais que o listening, já que há restrição em muitas partes do teste, como “usar uma palavra”.

Tinham textos muito grandes, incluindo um muito chato sobre chás. Então precisa ler e reler.

Dica: leia primeiro as perguntas e depois o texto. Assim você consegue otimizar seu tempo.

Writing

Definitivamente a parte mais cansativa do teste. Você tem que escrever duas redacoes, uma mais simples, de no mínimo 150 palavras, e outra mais complexa, de no mínimo 250 palavras. A segunda redação vale o dobro dos pontos da primeira, então vale começar por ela.

O primeiro tema foi simples: responder um email do seu chefe, com sugestões para melhorar a questão da sustentabilidade na empresa. O segundo foi mais complexo: escrever uma redação defendendo seu ponto de vista sobre crianças terem direito ou não de ter seu próprio smartphone.

Achamos muito cansativo, porque você fica 1 hora escrevendo, e de tanto escrever a mão cansa e sua grafia vai ficando comprometida. E se ninguém entende sua letra, fica difícil avaliar, não?


Nos disseram que a prova sairia em 13 dias, ou seja, até o final dessa semana devemos ter novidades.

Não sabemos muito como será a nota, porque acaba dependendendo de quem irá nos avaliar. Mas estamos otimistas 🙂

Quando soubermos nossa nota voltaremos para contar. Agora estamos focados na preparação da Saints para o TEF, que está a pleno vapor.

Quaisquer dúvidas nos escrevam, por favor.

Abraços,
Les Saints.

Mais uma mudança!

É oficial: o Quebec quer nos deixar malucos!

image

Eu tento largar do Quebec, mas ele não me deixa.  Acho que nossa sina é nos mudarmos mesmo para a BelleProvince, e começarmos nossa vida gringa ali.

Sempre quando eu penso em desistir do projeto, e estou quase decidindo por outras províncias, algo acontece que me chama de volta para lá.

Bem, a última delas foi que o processo, que até então era 100% no papel enviado para lá, agora seria digitalizado. Isso causou alvoroço até ter sido lançado essa semana – e que claramente o sistema não aguentou. Há dias estou tentando criar uma conta, para ver a carinha do site, e não consigo.

Você pode acessar o site aqui.

Pessoalmente falando, o que mais mudou não foi o fato de ser manual ou online. Algo muito mais impactante aconteceu: agora não precisa mais ter trabalhado nos últimos cinco anos na área do seu diploma para pontuar (texto aqui no site oficial).

E o que isso muda? Tudo!

Estou aqui dando pulinhos, me desculpem. Eu teria que tirar uma nota abusivamente grande no francês (e que eu provavelmente não conseguiria) para pontuar e receber o CSQ em casa, e agora meu domínio garante 6 pontos, o que é um peso gigante a menos nas costas.

Ficaremos fora desta leva do processo, mas se ele vai de 18 de janeiro a 31 de março eu acredito que em abril deva abrir mais algum número de vagas – até porque com a quantidade de refugiados que o Canadá colocou como meta receber, eles precisam muito girar a economia (e arrecadar impostos) para não ter problemas financeiros.

O próximo passo agora é fazer o TCF, já que não temos ainda e ele é parte importante. Vou marcar a prova para março, então tenho dois meses para me preparar e arrebentar no francês. Nos desejem sorte!

E boa sorte para todos também.

1 2