Post salvo em ‘Vida no Brasil’

Nós só queremos ir…

Salut!

Sabe quando você não vê a hora de ir embora? Estamos assim nesses últimos dias.

Olhando o ambiente ao nosso redor, nos deparamos somente com situações tristes. Ao ligar em qualquer telejornal, nenhuma coisa boa. Chega a ser impressionante! Relatos e relatos de corrupção, desvio de dinheiro, criminalidade, economia, país em crise… E quando pensávamos que estávamos sendo pessimistas, achando que poderíamos ter alguma mudança, que o povo brasileiro iria batalhar, nada. Na primeira greve da Polícia Militar no Espírito Santo, “cidadãos de bem” foram saquear as mais diversas lojas – roupas, eletrônicos, acessórios. Olhamos aquilo atônitos, descrentes de que estava realmente acontecendo. Na primeira oportunidade, foi-se saquear tudo!

A conclusão é de realmente não há solução. E achamos isso triste demais.

As perspectivas políticas são cada vez piores. Considerando as opções para presidência em 2018, todas elas são lastimáveis e nada animadoras. Estamos indo ladeira abaixo. Chegamos no fundo poço, e ainda tem água para cair por cima. Enquanto isso o povo se afoga no desespero de saber que não teremos dias melhores num curto período de tempo.

Com isso esperamos cada dia com mais avidez o pedido de documentos por parte do MIDI. Recebemos um e-mail dizendo que na primavera de 2017 teríamos atualizações sobre nosso processo, mas não temos nenhuma data, e nem o que será solicitado. Todo caso estamos juntando a documentação, A Saints vai fazer um novo teste de francês para melhorar a nota e nós já começamos a vender algumas coisas que estavam encostadas e sem uso.

Já completamos seis meses desde o envio da nossa solicitação via Mon Projet Québec, e nem a leva de junho ainda recebeu a solicitação dos documentos. Estamos tentando nos manter otimistas, pensando que teremos o CSQ até o final do ano para então dar entrada no federal, e queremos nos manter assim.

E então é vida que segue. Seguimos aguardando. MIDI, por favor, lembre de nós rapidamente!

Abraços à todos.

Les Saints.

Poupança Canadá

Olá, amigos, como vão?

Sei que estamos devendo diversas postagens aqui, mas ontem ficamos com este assunto na cabeça.  E explicamos. 

Nosso desejo é sair. Cremos que a partir do instante onde se aplica para qualquer processo de imigração, o desejo é partir o quanto antes. Acontece que isso não depende só de nós. Não depende só do nosso dinheiro, estudo e/ou disponibilidade, depende de muitas coisas. Arriscamos a dizer que a maior barreira seja a da burocracia.

Acompanhando os grupos, temos visto relatos de pessoas que simplesmente pausaram suas vidas por anos, em prol deste novo projeto de vida. Temos convicção de cada pessoa sabe o que é melhor para si, por isso afirmamos com toda a certeza de que isso, no nosso caso, não é saudável. Parar nossas vidas por três, quatro anos traria muito mais prejuízos do benefícios, e não teria nova vida no país dos nossos sonhos que daria jeito.

Paramos para analisar, e as pessoas que enviaram o pedido em junho ainda não  tiveram resposta. Imagina quando virão os de agosto, da nossa leva? Ainda não sabemos. Vale mesmo a pena ficar todos os dias e todas as horas pensando nisso, e esquecendo da vida que deve ser vivida?

Investimos no Canadá como uma poupança. Vamos investindo um pouco, com um rendimento baixo, mas no final o resultado final vai ser ótimo.  Não deixamos de sair para o cinema, jantarmos e até mesmo viajar. Não deixamos de viver. Porque 3 anos das nossas vidas não devem ficar perdidos, enquanto dependemos de forças alheias. Parar completamente nossas vidas durante todo o processo nos deixaria miseráveis. 

Aos poucos vamos fazendo as coisas: fazendo a venda de alguns itens de casa que já não usamos, solicitando algumas traduções, pedindo cartas de empregadores… Um passinho por vez, entre um jantar, um barzinho e um final de semana no interior.

Porque a vida é uma só. E se vamos começar uma nova vida do zero, que a antiga seja sem arrependimentos.
Deixamos aqui nossa reflexão.
Abraços

Les Saints